Páginas

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Respirar direito abaixa a pressão

E não é só isso: também auxilia a controlar a ansiedade e a tratar uma série de doenças

Paula Desgualdo



Quando alguém leva um susto, prende o ar. Se está com medo, inspira e expira com pressa. Em uma situação de raiva, puxa o oxigênio e libera gás carbônico com mais força. Sem que a gente se dê conta, a respiração denuncia toda sorte de alteração no organismo — seja fisiológica, seja mental. “É o termômetro das nossas emoções”, ressalta a psicóloga gaúcha Ana Maria Rossi, diretora da Clínica de Stress e Biofeedback, em Porto Alegre.

Na última década, ganharam fôlego pesquisas que analisam o caminho contrário, ou seja, os efeitos da respiração na saúde de um modo geral. E os resultados apontam que ela é um coadjuvante eficaz no tratamento de doenças. No Laboratório de Pânico e Respiração da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a prática de exercícios respiratórios diminui significativamente o uso de medicamentos em pacientes que sofrem com o transtorno de pânico, marcado por ataques de medo sem a iminência de um perigo real.

Segundo o psiquiatra Antonio Egidio Nardi, coordenador do laboratório, existe um elo estreito entre esse distúrbio e a respiração. “Pessoas com asma têm maior chance de desenvolver o pânico”, exemplifica. Os sintomas respiratórios são extremamente comuns durante os ataques. Na via oposta, Nardi explica, monitorar a entrada e a saída do ar ajuda a aplacar a ansiedade e a controlar as crises.

A sensação de calma e relaxamento provocada pelas técnicas respiratórias não é exatamente uma novidade. Basta lembrar que há 5 mil anos a medicina oriental faz uso delas. A respiração controlada tardou a ser aceita pela medicina do lado de cá do globo, mas agora vem ganhando cada vez mais força. É que novos estudos conseguiram demonstrar sua ação no sistema nervoso autônomo, que modula as funções vitais involuntárias, como a temperatura do corpo, a pressão arterial e a própria respiração. Ele está dividido em dois: o simpático, que entra em ação nas situações de alerta, disparando substâncias que estimulam o aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial, e o parassimpático, que faz justamente o contrário, levando o corpo de volta ao seu estado natural.

“Das funções coordenadas por esse sistema, a única que se pode controlar é a respiração”, afirma o pneumologista Geraldo Lorenzi Filho, do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas de São Paulo (Incor). Por esse motivo, os médicos já estão lançando mão de exercícios respiratórios não apenas para reduzir o estresse mas também para tratar hipertensão e amenizar dores crônicas. “E o melhor é poder levar esse recurso na bagagem pessoal”, acredita Ana Maria.

Na semana em que conversou com SAÚDE!, o farmacêutico Daniel Zoccal, especializado em fisiologia, embarcou para os Estados Unidos para receber um prêmio da Sociedade Americana de Fisiologia. Sua pesquisa de doutorado, realizada na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, no interior do estado, se debruça justamente sobre o elo entre a respiração e a função cardiovascular. “O trabalho mostra que mecanismos ligados ao controle respiratório podem favorecer o desenvolvimento da hipertensão”, revela.

Para investigar essa hipótese, o pesquisador submeteu ratos a uma das situações enfrentadas por quem sofre com apneia do sono, quando a passagem de ar pela garganta é interrompida diversas vezes ao longo da noite. As cobaias que ficavam períodos de 30 segundos com a quantidade de oxigênio reduzida apresentaram aumento da pressão sanguínea. “Os vasos possuem sensores que enviam ao cérebro a mensagem de que falta oxigênio”, explica Zoccal. Aí, a tal da atividade simpática entra em cena, acelerando os batimentos cardíacos e promovendo a constrição dos vasos. “Em um animal saudável, assim como no ser humano com boa saúde, a inspiração é um processo ativo e a expiração é passiva”, pontua o pesquisador. Já nos ratinhos do seu experimento, tanto a entrada como a saída do ar eram ativas — um jeito de respirar que, aliás, lembra o dos asmáticos.


Fonte: Revista Saúde

McDonald's faz recall nos EUA de 12 milhões de copos Shrek contaminados

Pintura do personagem possui cádmio, substância considerada cancerígena por autoridades


As autoridades americanas anunciaram nesta sexta-feira (4) que a cadeia de lanchonetes McDonald's pede aos consumidores que não utilizem e, se possível, devolvam os 12 milhões de copos decorados com o personagem Shrek porque a pintura do objeto possui cádmio, o que implica um risco para a saúde. O cádmio é considerado cancerígeno pelas autoridades americanas.
A Comissão de Segurança de Produtos para Consumo, em cooperação com o McDonald's, pediram a devolução dos copos Shrek, informa o comunicado. O texto informa que os consumidores "devem deixar de usar os copos".

O comunicado afirma que o recall foi decidido por precaução e que não foram assinalados incidentes relacionados com o assunto. O anúncio da autoridade americana enfatiza que "é ilegal vender ou tentar vender um produto que sofreu recall".


Fonte: R7

Planos de Saúde terão que cumprir novas regras a partir de segunda-feira (7)

Operadoras deverão incluir 70 procedimentos na cobertura básica


Na próxima segunda-feira (7) entram em vigor as novas regras para os planos de saúde, estabelecidas pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Com a mudança, as operadoras serão obrigadas a incluir na cobertura básica 70 procedimentos e ampliar o limite de consultas em algumas especialidades.
A nova listagem beneficiará 44 milhões de usuário de planos. Os serviços deverão constar em todos os planos de saúde contratados a partir do dia 2 de janeiro de 1999. Segundo ASN, as mudanças não terão grande peso nos custos, mas essa elevação pode ser repassada principalmente no caso dos contratos de grupos.

Entre os novos procedimentos estão a cobertura obrigatória de transplante de medula óssea por parentes ou banco de medula, a inclusão de 16 procedimentos odontológicos, como colocação de coroas e blocos dentários, e o exame de imagem para identificação de câncer em estágio inicial e avançado, o PET-SCAN oncológico. Esse procedimento, que pode facilitar diagnósticos, é considerado caro pelos planos de saúde.

A ANS decidiu ainda ampliar o número mínimo de consultas para determinadas especialidades. As consultas com fonoaudiólogo passam de seis para até 24 vezes por ano, enquanto os nutricionistas, que só podiam ser consultados seis vezes, poderão ver os pacientes em 12 consultas. Terapias com psicólogos sobem de 12 até 40 consultas por ano, desde que sejam indicadas por um psiquiatra.

A Associação Brasileira de Medicina de Grupo, que representa os planos de saúde, informou que as novas regras irão gerar custos adicionais e que os primeiros a sentir devem ser os novos clientes.


Fonte: G1

Novas regras para doação de sangue devem vetar usuário de maconha e pessoas com piercings na boca

Usuários de crack e pessoas que usam anabolizantes injetáveis também serão proibidos


O Ministério da Saúde apresentou nesta quarta-feira (2) uma proposta que pretende mudar as regras da doação de sangue no Brasil. Se forem aprovadas, as novas normas devem limitar usuários de maconha de doarem sangue e impedir definitivamente as pessoas com piercing na boca.
Com relação aos usuários de drogas, a atual legislação diz que apenas aqueles que consomem a cocaína pelo nariz estão impedidos de doar sangue, por um período de 12 meses, contados a partir da última utilização.

O governo propôs, no entanto, estender essa proibição de 12 meses para pessoas que usam crack e para quem usa anabolizantes injetáveis sem prescrição médica.

Já os usuários de maconha seriam impedidos de doar sangue, pela nova proposta, nas 12 horas seguintes ao consumo da droga. Atualmente não há nenhuma restrição para a doação de sangue por esse grupo.

Essas novas regras, no entanto, ainda não estão valendo. O ministério colocou a proposta em consulta pública por 60 dias. Nesse período, o governo vai receber sugestões e alterações da comunidade científica e outras organizações. Mas a última palavra sobre o assunto ficará mesmo com a administração federal, que deve decidir as novas regras em setembro de 2010.

Piercing e tatuagem também limitam a doação de sangue

Com relação às pessoas que possuem piercings, atualmente são proibidos de doar sangue quem “tenha realizado piercing ou tatuagem sem condições de avaliação quanto à segurança”.

A nova proposta do Ministério da Saúde, no entanto, pretende impedir definitivamente de ser doadores as pessoas que tenham piercing “na cavidade oral e/ou na região genital, devido ao risco permanente de infecção”.

Apesar disso, o texto reitera que esse grupo poderá se candidatar à doação desde que retirem os piercings, mas somente após 12 meses dessa retirada.

Além dessas alterações, o governo propôs ainda aumentar a faixa etária das pessoas que podem doar sangue, incluindo adolescentes de 16 a 17 anos e idosos de 65 a 68 anos.

Já os homossexuais devem continuar proibidos de fazer doação de sangue, contrariando protestos dos ativistas. A proposta do Ministério da Saúde veta a participação de homens que tenham feito sexo com outros nos 12 meses anteriores à doação, mesmo que eles usem camisinha.

No quadro abaixo, veja quem pode e quem não pode doar sangue segundo as regras atuais e de acordo com as propostas que o governo pretende aprovar.

Veja o que deve mudar nas regras para a doação de sangue:








Fonte: R7

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Câncer matará 13,2 milhões por ano até 2030, diz ONU

Em 2008, 63% das mortes ocorreram em países em desenvolvimento.
Pulmão é o órgão mais atacado pela doença.



Até 2030, o câncer deve matar mais de 13,2 milhões de pessoas por ano, quase o dobro do número de vítimas da doença em 2008, disse a Agência Internacional de Pesquisas sobre o Câncer (AIPC, um órgão da ONU) nesta terça-feira (1º).


Também em 2030, a previsão é de que quase 21,4 milhões de novos casos sejam diagnosticados por ano.
Ao lançar um novo atlas da incidência global do câncer em 2008, último ano com dados disponíveis, a agência disse que o ônus do tratamento está cada vez mais passando dos países ricos para os pobres.
"O câncer não é raro em lugar nenhum do mundo, nem confinado a países de altos recursos", disse a AIPC em nota.
Em 2008, houve 12,7 milhões de novos casos de câncer, e 7,6 milhões de mortes. Cerca de 56 por cento dos novos casos e 63 por cento das mortes foram nos países em desenvolvimento.
Naquele ano, os tipos mais comuns de câncer foram de pulmão (1,61 milhão de casos), mama (1,38 milhão) e colorretal (1,23 milhão). Os mais letais foram os de pulmão (1,38 milhão de mortes), estômago (740 mil) e fígado (690 mil).


Fonte: G1

Bioquímicos que estudam a dor ganham prêmio internacional na Espanha

Eles descobrirarm mecanismos de percepção de sensações como o frio, calor e gosto


Os bioquímicos americanos David Julius e Linda Watkins e o israelense Baruch Minke, considerados referências mundiais na neurobiologia por sua contribuição à luta contra a dor, ganharam nesta quarta-feira na Espanha o Prêmio Príncipe de Astúrias de Pesquisa Científica e Técnica 2010.

Por meio dessas pesquisas, os premiados descobriram as causas e mecanismos pelos quais é percebida a dor e outras sensações como o frio, calor e gosto.

O júri destacou que seus trabalhos permitem "uma compreensão mais profunda das bases celulares e moleculares das diferentes sensações, especialmente a do dor".

Esses trabalhos abrem vias esperançosas para atenuar um mal que afeta a qualidade de vida de milhões de pessoas "e que foi, desde sempre, um dos grandes desafios enfrentados pela medicina", disse o júri em sua avaliação.

- [Os três são cientistas] realizaram descobertas para uma compreensão mais profunda das bases celulares e moleculares das diferentes sensações, em especial da dor.

Cada um dos especialistas homenageados recebeu R$ 112.550 (50 mil euros) e a reprodução de uma estatueta desenhada por Joan Miró. O prêmio Príncipe de Astúrias leva o nome do príncipe Felipe, herdeiro da coroa da Espanha, que a cada ano elege oito pessoas ou instituições em oito categorias: artes, cooperação internacional, concórdia (conciliação), ciências sociais, comunicação e humanidades, esportes, pesquisa científica e técnica e letras.


Fonte: R7

terça-feira, 1 de junho de 2010

Herbarium apresenta nova marca em comemoração aos 25 anos

Líder em fitoterapia no Brasil, indústria paranaense investe em novo posicionamento de marca e projeta ampliar sua atuação no mercado

No ano em que comemora 25 anos de trajetória, o Herbarium, maior indústria de fitoterapia do Brasil, apresenta uma nova logomarca institucional. A ação, além de comemorativa, tem como objetivo reposicionar a marca da empresa que pretende atuar em novas frentes. Pertencente ao Grupo FQM, do qual também faz parte o Laboratório Farmacêutico carioca Farmoquímica, o Herbarium visa ampliar e inovar sua atuação em todos os segmentos que atua, com foco especial na linha de fitomedicamentos (fitoterápicos de prescrição médica).

A nova logomarca do Herbarium mantém características dos 25 anos de história que resultaram em uma marca de confiança, tradição e qualidade. O novo layout transmite ainda o posicionamento no qual está o investimento em pesquisa e inovação, bem como a expertise em fitoterapia. Afinal, o Herbarium foi o primeiro laboratório a trazer este conceito ao Brasil.

“Queremos mostrar ao mercado que uma nova fase se inicia no Herbarium, com a chegada destes 25 anos. A nova logomarca traz um conjunto de formas e cores que têm o objetivo de mostrar que só por meio da ciência extraímos o melhor da natureza, proporcionando medicamentos com precisão, qualidade e eficiência”, explica Célia Regina von Linsingen, gerente de Marketing do Herbarium.

Campanha de vacinação contra a nova gripe deve terminar amanhã

Meta de imunização entre pessoas de 30 a 39 anos ainda não foi atingida.
Objetivo é vacinar 80%, mas até ontem só 54% haviam recebido a dose.




A campanha de vacinação contra a nova gripe deve terminar amanhã (2) com o fim do prazo para adultos entre 30 e 39 anos se imunizarem, além de crianças entre 2 anos de idade e 4 anos e 11 meses. “Faço um apelo aos pais e responsáveis que levem as crianças aos postos de vacinação. O recado também é importante para os adultos de 30 a 39 anos”, afirmou em nota o ministro da Saúde, José Gomes Temporão. Com o inverno, começa o período em que aumenta a transmissão de doenças respiratórias.
O objetivo da campanha é vacinar 80% dos brasileiros entre 30 e 39 anos, mas até ontem só 54% haviam recebido a dose.
Além dos dois últimos grupos-alvo, o ministério lembra que as gestantes que ainda não se vacinaram podem procurar um dos 36 mil postos do país, sem nenhum impedimento. Entre gestantes, 70% foram vacinadas. A meta também é 80%.
No ano passado, 2.051 pessoas morreram por causa da nova gripe. Desse total, 75% tinham doenças crônicas. Em 2010, foram registradas 540 internações por causa da nova gripe até 8 de maio. Desse total, 18% dos casos foram de grávidas. Do total de mortes (64), as gestantes foram 30%.
O ministério também recomendou que estados e municípios que não cumpriram a meta em grupos já imunizados realizem "busca ativa" para garantir cobertura de 80% para todos os grupos.


Fonte: G1

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Sibutramina passa a ser lista B2

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aumentou o controle sobre a prescrição da Sibutramina nos medicamentos que contêm a substância emagrecedora desde março desse ano. Na publicação da Anvisa (Resolução 13/2010), a sibutramina está remanejada a substância da lista C1 para a Lista B2 dos medicamentos sujeitos à controle especial, conforme a Portaria 344/98.

Segundo o tutor do Portal Educação, farmacêutico Ronaldo de Jesus Costa, a decisão se deve após estudos que apontaram risco de morte a cardiopatas pelo uso de Sibutramina. Agora a Anvisa alterou a lista de classificação do medicamento controlado.

O tutor do Portal Educação lembra que os fabricantes têm até setembro de 2010 para efetuar as devidas alterações nas embalagens e bulas. “As farmácias e drogarias podem vender, mediante retenção da Notificação de Receita “B2”, os medicamentos à base de Sibutramina que estejam em embalagens com tarja vermelha, mas até o prazo citado”, finaliza.


Fonte: ASCOFERJ

31 de Maio: Dia Mundial sem cigarro

A OMS, neste dia Mundial de Combate ao Fumo (31 de maio), foca sua principal atenção nas mulheres. Elas são hoje 20% dos fumantes em todo o mundo e o número está crescendo. Se, antigamente trazer um cigarro entre os dedos era considerado charmoso e atraente, hoje em dia, o fumo está completamente fora de moda. Mas as mulheres são as fumantes mais resistentes a largar o vício principalmente pelo medo de engordar. Entre os muitos males que o cigarro pode causar ao organismo está o prejuízo da fertilidade e da gestação.

Hoje, as mulheres adiam cada vez mais a primeira gravidez e isso acaba fazendo com que muitas delas tenham dificuldade para engravidar depois, já que a primeira tentativa vai acontecer lá pelos 35 anos de idade, quando a época ideal para a gravidez está entre os 18 e os 25 anos. O resultado é que cada vez mais mulheres estão recorrendo às clínicas de fertilidade assistida.

O que muita gente desconhece é que as sociedades médicas de Reprodução Assistida de todo o mundo recomendam que não sejam tentados os procedimentos comuns nas clínicas de Reprodução Humana (como bebê de proveta e até mesmo a simples inseminação artificial, por exemplo) em casais que insistam em não abandonar o cigarro.

Há muito se sabe que o cigarro causa mais danos ao organismo das mulheres do que ao dos homens. O tabagismo feminino interfere na fertilidade como um todo: na formação dos gametas e na implantação do óvulo fertilizado no útero.

A Dra. Silvana Chedid, médica ginecologista e obstetra especializada em reprodução humana, esclarece que a Sociedade Européia de Reprodução Humana e Embriologia – ESHRE - não recomenda tratamentos contra a infertilidade em mulheres fumantes.

”Uma mulher que planeja a sua gestação deve refletir seriamente na sua responsabilidade diante do bebê que vai nascer e abandonar mitos bobos como este que impede as mulheres de largar o vício: ela não engordará se não substituir o cigarro por comida”, explica a Dra. Silvana Chedid.


Fonte: ASCOFERJ