Páginas

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Preservativo Unique 3 vezes mais fino e 3 vezes mais resistente

Farmácia do Leme é a 1ª Farmácia do Rio de Janeiro a disponibilizar os Preservativos Unique. Ligue para 32239040 e peça já o seu.



Características de Unique


Hipoalergênico sem Látex

Não contém látex material que causa reações alérgicas em uma significativa parcela da população. Atualmente não existe produto hipoalergênico e livre de látex aprovado pela Anvisa para o mercado brasileiro além de Unique.


Finura

A resistência do polietileno permite que este produto seja muito mais fino do que os produzidos a partir do látex. É o preservativo mais fino do mundo e tem a espessura de menos de um terço do mais fino látex em produção.


Resitência

Aproximadamente 3 vezes mais resistentes a pressão de ruptura quando compardos aos de látex. Muito difícil de ser rompido durante atividades sexuais.
Condução de Calor
Com superior taxa de condutividade , o calor dos corpos é transmitido como se nenhum preservativo estivesse em uso. Uma sensação formidável que foi anulada pelos preservativos de látex.


Inodoro

Não contém as proteínas do látex que trazem cheiro característico de borracha.


Transparência

A transparência cria um visual mais natural. Pessoas que usam pela primeira vez comentam que tiveram dúvida se o preservativo estava no lugar porque não podiam vê-lo ou senti-lo .


Opções Flexíveis de Lubrificantes

Qualquer lubrificante pode ser usado, inclusive vaselina, sem comprometer o preservativo.


Longo prazo de Validade

Estabilidade ao longo do prazo de validade do produto. Não deteriora e pode ser mantido na carteira.


Abas de aplicação (Pull System)

O preservativo tem duas alças que se destacam ao serem puxadas para baixo. Não é necessário tocar no preservativo durante a colocação. Mais segurança que os convencionais.



Embalagem “Cartão de Crédito”





Embalagem de três com as dimensões aproximadas de um cartão de crédito. Embalagem patenteada,´prática e bonita. Pode ser carregada na carteira como um cartão de crédito.








Teste

Unique excede aos requisitos de resistência requeridos pela Anvisa por larga margem e obteve aprovação nesta exigência.
Para demonstração adicional da capacidade superior de Unique em comparação com produtos de látex, Acme contratou um dos mais respeitáveis laboratórios internacionais de testes, Nelson Laboratories. Nelson Laboratories avaliou Unique em relação a pressão de ruptura e espessura comparando aos principais produtos existentes no mercado brasileiro.

Teste identifica até 90% dos problemas genéticos de óvulos

Técnica permitiria aumentar a chance de sucesso da fertilização in vitro.


Cientistas da Universidade de Maastricht, na Holanda, anunciaram nesta semana a criação de novo teste capaz de identificar até 90% das anomalias genéticas dos óvulos utilizados em tratamentos de fertilização in vitro.
O método, desenvolvido pela equipe de Joep Geraedts, professor de genética e biologia celular, tem como objetivo aumentar a chance de gravidez.
Mas só ano que vem, com o início dos testes em grande escala, será possível avaliar a eficácia da técnica na fertilização in vitro, alertou o pesquisador durante a apresentação de seu trabalho, na Conferência da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia, em Roma.
Ele disse que foram analisados cerca de 200 óvulos de 41 casais usando a nova técnica. Os resultados da amostra, segundo os pesquisadores, são suficientes para confirmar que o método é confiável na identificação de problemas genéticos. Mas como apenas oito mulheres do grupo pesquisado ficaram grávidas, não é possível avaliar seu impacto nas taxas de gravidez.
Os dados preliminares são considerados animadores. Na clínica britânica Care Fertility, pioneira na utilização do teste, o método dobrou a taxa de gravidez num grupo de 150 casais, segundo informações do diretor do centro, Simon Fishel.
Como funciona
O teste é oferecido na clínica pelo equivalente a cerca de R$ 5,4 mil a mulheres mais velhas que não tiveram sucesso em tentativas de fertilizações in vitro anteriores.
"Se essa tecnologia for tão sólida como parece, seria lógico dizer que todas as pacientes poderão se beneficiar do método, não apenas as mais velhas", afirma Simon.
Ainda assim, especialistas como o holandês Geraedts e também e o britânico Tony Rutherford, criticam a utilização da técnica em escala comercial até a divulgação dos resultados conclusivos da pesquisa.
Quase a metade dos óvulos das mulheres mais jovens têm anomalias genéticas. O índice sobe para até 75% em mulheres com mais de 39 anos.
Com novos testes genéticos, os pesquisadores buscam aumentar a chance de gravidez ao fazer a triagem de óvulos saudáveis, com base numa técnica de contagem de cromossomos.


Fonte: G1

Labrador avisa menina diabética quando taxa de açúcar se altera

Cadela Shirley já evitou que a britânica Rebecca Farrar, de 6 anos, entrasse em colapso por queda do nível de açúcar no sangue.

Um cão labrador treinado para detectar a queda do nível de açúcar no sangue de seres humanos vem ajudando uma menina britânica de seis anos a evitar entrar em coma por causa de diabetes.
A cadela Shirley é um dos dez cães treinados pela entidade beneficente Cancer & Bio-detection para alertar diabéticos quando sua condição se deteriora e mora há quatro meses com a pequena Rebecca Farrar, que tem diabetes tipo 1.
"Ela salva a minha vida", diz Rebecca, que é a primeira criança a receber um cachorro para detectar sua doença. "Ela é minha melhor amiga."

Shirley é capaz de sentir uma mudança de odor exalado pelo corpo de Rebecca quando sua taxa de açúcar cai ou sobe a níveis alarmantes.
O cheiro não é detectado por seres humanos e é um sinal emitido pelo corpo antes de outros mais aparentes, como palidez.
Ela então começa a lamber os braços e as pernas da menina para alertá-la. Dessa forma, a menina ou sua mãe têm condições de tomar providências para evitar um colapso.

"Shirley percebe (a queda no nível de açúcar) bem rapidamente e começa a lamber as mãos e pernas de Rebecca até ela tomar uma Coca-cola ou ingerir açúcar, que elevam seus níveis de açúcar novamente. Quando a taxa está muito alta, Shirley também sente e dá o alerta", explica a mãe de Rebecca, Claire.
A mãe lembra de um episódio em que ninguém percebeu que a taxa de açúcar de Rebecca estava caindo até Shirley dar o precioso alerta.
"Nós não tínhamos ideia de que ela estava com a taxa de açúcar baixa. Ela estava dançando em um clube com seu irmão gêmeo, Joseph, e quando os dois voltaram à mesa para tomar algo, Shirley começou a lamber as mãos de Rebecca. O kit de primeiros-socorros estava embaixo da mesa e Shirley foi até lá e pegou um exame de nível de açúcar", conta Claire.
"Ela deu o exame a Rebecca e começamos a desconfiar que tinha algo de errado. Fizemos o teste, e o nível estava bem baixo. Se eu não tivesse Shirley, Rebecca teria entrado em colapso. E quando isso ocorre, ela entra em um sono tão profundo que se tentamos colocar açúcar em sua boca, ela engasga."
A presença de Shirley na casa também tornou a vida de toda família mais fácil.
"Ela tinha um colapso a cada dois dias. Às vezes eu a socorria apenas pouco antes de ela entrar em um colapso muito sério, outras vezes eu tinha de chamar a ambulância", conta Claire.
"Mas agora temos Shirley e ela detecta a queda no nível de açúcar antes de Rebecca perceber o problema."
Claire conta que também consegue ter noites de sono mais tranquilas, sem medo de a filha ter algum problema durante a noite, como ocorria antes de Shirley dormir ao lado da cama de Rebecca.
A entidade beneficente que deu Shirley à família treina cachorros para detectar todo tipo de doença, incluindo câncer.
"O que nós descobrimos nos últimos cinco anos é que cães são capazes de detectar doenças humanas pelo odor. Quando a nossa saúde altera, temos uma pequena alteração no odor do corpo. Para nós é uma mudança mínima, mas para o cachorro é fácil de notar", diz ClaireGuest, da organização Cancer & Bio-detection.


Fonte: R7

terça-feira, 29 de junho de 2010

Cientistas criam técnica para detectar câncer pela saliva

Mecanismo vale para tumores de pâncreas, mama e boca


Uma universidade japonesa e outra americana desenvolveram uma técnica que consegue detectar com rapidez certos tipos de câncer realizando um teste de saliva. A tecnologia permite detectar altas probabilidades de câncer de pâncreas, de mama ou de boca.
Os pesquisadores, que trabalham nas universidades de Keio (Japão) e Califórnia (EUA), analisaram amostras de saliva de 215 pessoas diferentes, entre as quais pacientes com câncer, e identificaram 54 substâncias que indicam a doença. Depois de realizar outros exames, foi possível detectar 99% dos casos de câncer de pâncreas existentes, 95% dos de mama e 80% dos de boca.

A realização do teste levaria, no máximo, meio dia, segundo os pesquisadores. O professor Tomoyoshi Soga, da Universidade de Keio, diz que o método deve facilitar o diagnóstico precoce da doença.

– As taxas de sobrevivência do câncer de pâncreas e de boca são particularmente baixas porque os sintomas não são muito claros na fase inicial. Por isso, demora mais para descobrir a doença.

O chefe da equipe de pesquisas de Keio, Masaru Tomita, diz que "a saliva é mais fácil de examinar que o sangue ou as matérias fecais".

– Gostaríamos de usar essa tecnologia para tentar detectar outras enfermidades também.



Fonte: R7

Propagandas de alimentos não saudáveis terão mensagens de alerta

Anvisa publicou resolução que torna obrigatória a informação ao consumidor.
Medida inclui também publicidade de refrigerantes e outras bebidas.



A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou nesta terça-feira (29) no Diário Oficial da União uma resolução que obriga que as propagandas de alimentos considerados com quantidades elevadas de açúcar, de gordura saturada, de gordura trans, de sódio, e de bebidas com baixo teor nutricional, como os refrigerantes, venham acompanhadas de mensagens alertando para os riscos à saúde em caso de consumo excessivo. As empresas terão 180 dias para se adequar à resolução.
Segundo a Anvisa, o regulamento técnico publicado tem como objetivo "coibir práticas excessivas que levem o público, em especial o público infantil a padrões de consumo incompatíveis com a saúde e que violem seu direito à alimentação adequada". As mensagens publicitárias devem ser acompanhadas de alertas sobre os perigos do consumo excessivo desses nutrientes.

Exemplos:

a) "O (nome/ marca comercial do alimento) contém muito açúcar e, se consumido em grande quantidade, aumenta o risco de obesidade e de cárie dentária".
b) "O (nome/ marca comercial do alimento) contém muita gordura saturada e, se consumida em grande quantidade, aumenta o risco de diabetes e de doença do coração".
c) "O (nome/ marca comercial do alimento) contém muita gordura trans e, se consumida em grande quantidade, aumenta o risco de doenças do coração".
d) "O (nome/ marca comercial do alimento) contém muito sódio e, se consumido em grande quantidade, aumenta o risco de pressão alta e de doenças do coração".
Quando o alimento ou o conjunto a que ele pertença possuir quantidade elevada de dois ou mais nutrientes, deverá ser aplicado o seguinte alerta cumulativamente em relação aos nutrientes: "O (nome/ marca comercial do alimento ou conjunto) contém muito (a) [nutrientes que estão presentes em quantidades elevadas], e se consumidos(as) em grande quantidade aumentam o risco de obesidade e de doenças do coração".

Refrigerantes incluídos

A medida vale também para bebidas como refrigerantes, refrescos artificiais, concentrados para o preparo de bebidas à base de xarope de guaraná ou groselha e chás prontos para o consumo. Também se incluem bebidas adicionadas de cafeína, taurina, glucoronolactona ou qualquer substância que atue como estimulante no sistema nervoso central.
A medida deve ser aplicadas nas peças publicitárias dos alimentos. Ela não se aplica aos rótulos.
De acordo com a resolução, as empresas deverão manter em seu poder, à disposição da Autoridade Sanitária os dados fáticos, técnicos e científicos que dão sustentação à mensagem publicitária e informar seu departamento comercial e as agências de publicidade, sobre este regulamento técnico e as responsabilidades no seu cumprimento.


Fonte: G1

Inverno, tempo de emagrecer

Durante os meses frios, corpo gasta mais calorias para manter a sua temperatura. Por isso, a estação do ano pode favorecer quem deseja perder peso. Mas é preciso ficar muito atento para não ceder ao aumento de apetite

POR CLARISSA MELLO


Sopa de ervilhas é boa pedida: aumenta a saciedade
e tem vitaminas | Foto: Márcio Mercante / Agência O Dia


Rio - Se você acha que a melhor época para emagrecer é primavera e verão, pode começar a rever seus conceitos. De acordo com especialistas, são os dias frios que fazem com que o corpo perca mais calorias. Mas é preciso atenção: os benefícios do inverno só funcionam para quem consegue controlar a boca. Segundo o nutrólogo e clínico geral Alexander Gomes, nos dias mais frios o organismo gasta cerca de 10% a mais de calorias para manter a temperatura. Por isso, há tendência de sentir mais fome.

“O problema é que as pessoas exageram. Escolhem logo uma feijoada, um doce, e ainda param de fazer exercícios físicos porque sentem preguiça”, afirma Gomes. A nutricionista do Centro de Nutrição Equilibra, Ana Cristina Teixeira, explica que o ideal é fazer trocas inteligentes: ao invés de chocolate quente, prefira um chá de ervas. No lugar do sanduíche, opte por uma sopa de legumes.
Uma boa pedida, por exemplo, é a sopa de ervilhas. “A ervilha é rica em pectina, uma fibra solúvel que aumenta a saciedade e auxilia no bom funcionamento do intestino. Também é fonte de vitamina C, B6, tiamina, potássio e ácido fólico”, salienta Karine Rabaiolli, nutricionista da Substância, empresa de gastronomia light (Delivery: 2245-3045).
“Se as pessoas mantiverem a mesma alimentação do verão, com saladas frescas, sucos, comidas leves, elas vão emagrecer. O inverno é uma ótima oportunidade para isso, a pessoa pode contar com a ajuda do metabolismo mais acelerado”, aconselha Ana Cristina.
Não basta escolher os alimentos certos. Quem quer aproveitar o inverno para perder os quilos a mais precisa investir também em atividades físicas. “Pessoas sedentárias podem conseguir bons resultados se escolherem esta época para iniciar programa de exercícios físicos”, garante o coordenador técnico da Academia da Praia, Marco Antônio Ferreira.
De acordo com o especialista, os resultados dependem da intensidade das atividades. O inverno permite exercícios mais intensos, uma vez que a temperatura ambiente, mais amena, favorece. Por isso, o gasto calórico é maior.
“Se você aliar a atividade a uma alimentação balanceada e orientada, você pode induzir seu corpo a gastar gordura. No frio, a tendência natural do organismo é buscar mais alimento e acumular gordura, que é o isolante térmico natural, portanto, só o exercício não resolve”, conclui Ferreira.

DICAS

RESISTA À GULA

Adapte a sua alimentação no tempo frio. Resista aos alimentos pesados e gordurosos, que podem provocar sono e preguiça.

TROCA INTELIGENTE

Faça escolhas inteligentes. Troque o molho branco pelo vermelho, à base de tomate, com mais nutrientes. Prefira uma sopa de legumes na hora do jantar e fuja dos sanduíches. Ao invés de chocolate quente, beba um chá de ervas.

EXERCÍCIO NA HORA

Escolha horários certos para a prática de exercícios. Fuja de extremos. O ideal é que não seja nem muito cedo, nem muito tarde. As baixas temperaturas podem desanimar a saída de casa para fazer ginástica.

BRISA DA PRAIA

As atividades ao ar livre são uma boa opção, devido ao clima ameno que faz os exercícios parecerem mais leves. Aproveite a brisa da praia para caminhadas com ritmo intenso.



Fonte: O Dia

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Anvisa prepara novas regras de segurança para bolsas de sangue

Agência quer definir novas regras para captação, armazenamento e transporte do sangue


As normas para garantir a segurança e a qualidade do sangue usado em transfusões no país vão mudar. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) abriu este mês uma consulta pública com novos critérios para captação, armazenamento e transporte do sangue.
As regras atuais abrangem questões sanitárias e de assistência à saúde. Segundo o diretor da Anvisa, Dirceu Barbano, essa junção cria problemas de fiscalização.

- Isso trazia problemas, [porque] não se sabia de quem era a atribuição de fiscalizar: do Ministério da Saúde ou da Anvisa.

Para sanar as dúvidas, foram criadas duas resoluções, ambas em consulta pública: uma da Anvisa, que cuida de questões sanitárias, e outra do Ministério da Saúde, que trata da assistência à saúde.

A redação das resoluções atende a uma recomendação do Tribunal de Contas da União, para qualificar a cadeia de captação e distribuição do sangue e material usado para hemoderivados no país.

- Além de padrões definidos de qualidade, a resolução traz as punições para aqueles que desrespeitarem as regras.

O texto da resolução ficará 60 dias em consulta. Entre as regras estão padrões para instalações físicas, temperatura e forma de armazenagem das bolsas de sangue, número de funcionários para os estabelecimentos e regras para processos de captação da substância.


Fonte: R7